Como tudo, cozinhar tem diferentes conceitos, estes diferem de pessoa para pessoa, e com tal, há que goste, há quem não goste, há quem ache uma verdadeira seca e há quem adore... são opiniões, e apesar de cozinhar ser a minha verdadeira paixão, não torna este facto discutível... embora sinceramente me custe muito a perceber como é que é possível haver quem não se sinta contagiado pela fascinante arte de cozinhar, de conjugar aromas, sabores, cores e perfumes, de todo o ritual da preparação de um prato, da emoção e excitação de procurar um perfeito equilíbrio dos ingredientes e assim ver nascer novos sabores, pratos, cozinhas, de não ficar maravilhado com toda a alquimia, quase magia que se passa numa cozinha.... Mas, enfim são opiniões!! No entanto o que não é discutível é o prazer da mesa, porque sejamos sinceros, quem não encontra alegria em prato algum, têm um grave problema, pois o tempo em que a alimentação era um mero acto de subsistência já lá vai há muito.....  E assim porque o mundo da cozinha é vasto, para todos os que não gostam de cozinhar, para todos os que não têm tempo e para todos os outros não queria deixar de partilhar uma cozinha inventiva, original, alegre, colorida, musical, e muito... minha!!!

segunda-feira, 1 de Novembro de 2010

simples ideias - grandes feitos

É verdade que não se deve catalogar entradas, canapés e amuse-bouche, e colocar tudo no mesmo saco.. mas a razão que o faço, é simplesmente porque estes três, ao contrário de um prato principal são muito adaptáveis, isto é, tendo uma conjugação de sabores perfeita para uma entrada é muito fácil transforma-la num canapé ou num amuse-bouche... ou vice versa!!! Mas há de facto que ter em conta, que uma entrada à partida é servida num prato e é mais substancial do que um amuse-bouche, este tal como o nome indica é o que dá inicio á refeição propriamente dita. Um amuse-bouche, pode ser servido num prato, ou sob a forma de finger food, e têm como objectivo entreter o paladar, ou seja, abrir o apetite para a refeição que se segue, deve ser numa quantidade reduzida, e segundo os chefs um bom amuse-bouche é definido pelo desejo de que este não fosse tão pequeno... quando não é saciável!!! Canapés, têm mais versatilidade e tanto podem ser servidos num início de uma refeição, como numa inauguração de uma exposição por exemplo, e desde que tenha uma conjugação coerente, dá asas á imaginação...
Aqui vão algumas ideias:

-  carapccio de salmão em marinada oriental
-  ceviche de salmão
-  canolli de abacaxi com camarão e creme de ervas
-  tostaditas de gambas e abacate
- espeadinhas de camarão exóticas com molho de cocô
- brochettes de vieiras enrolas em presunto com molho béarnaise
- teriyaki de salmão picante 
- rolinhos de folha de arroz com papaia e surimi
- pastelinhos de sapateira á maneira oriental
- ameijoas com manteiga de gengibre e lima
- mexilhões à espanhola
- focaccine de cogumelos bravos e roquefort
- envelopes de massa brick, chevre e mel
- verrines de chevre com tomate seco e tapanade
- riso frito com molho de tomate
- involcruos de magret fumado, rucula e roquefort
- espetadinhas de figos e presunto
- mini panquecas de pato com molho de ameixa
- espetadinhas com frango satay picante
- brochettes de galinha com molho de amêndoim